Sonho de Bolsistas do Proupe ameaçado por falta de pagamento do Estado



O Programa Universidade para Todos em Pernambuco (Proupe) foi lançado em 2011 pelo então governador Eduardo Campos, oferecendo a oportunidade, a milhares de jovens carentes do interior, de ingressar no ensino superior e se tornarem professores.

Reconhecido instrumento de democratização da Educação, ampliando as chances de ingresso no mercado de trabalho, o Proupe atravessa um período prolongado de crise. Desta vez, as parcelas de março, abril e maio ainda não foram repassadas pelo Governo Estadual às instituições que dependem do Programa. Os atrasos no desembolso têm sido comuns, comprometendo os frutos da semente plantada há cinco anos.

As bolsas de estudo são distribuídas diretamente para as Autarquias Municipais de Ensino superior que integram o programa ­ e não para os alunos ­ e priorizam a licenciatura em disciplinas como Matemática, Física e Química, de acordo com a demanda de professores no Estado. Os municípios onde se localizam as autarquias são o Cabo de Santo Agostinho, Goiana, Palmares, Limoeiro, Garanhuns, Belém de São Francisco, Belo Jardim, Arcoverde, Araripina, Salgueiro, Serra Talhada, Afogados da Ingazeira e Petrolina.

O número de estudantes beneficiados chegou a 12 mil em 2014, mas a quantidade de bolsas vem caindo, devendo fechar 2016 com menos de 8 mil. Os cortes no Programa têm sido alvo de protestos nas Cidades que abrigam os cursos. As manifestações reúnem professores, alunos, diretores das instituições e até os prefeitos. Nos últimos meses, houve manifestações de porte em Afogados da Ingazeira, Serra Talhada, Belém do São Francisco e aqui em Garanhuns. Os gestores das Autarquias já se reuniram no Recife, em março, para buscar soluções visando a regularização do pagamento das bolsas. Mas o problema continua, como o JC mostra em reportagem especial neste domingo.

Sem os recursos, as faculdades correm o risco de paralisar as atividades. As contas de água, energia e internet não estão sendo pagas, assim como os salários dos professores, e a implantação de novos cursos está prejudicada, relatou Rinaldo Remígio, presidente da Associação das Autarquias de Pernambuco (ASSIESPE).

O aluno Rodrigo Amaral, de 26 anos, que mora em Custódia e caminha para a conclusão da licenciatura em história em Arcoverde, resumiu a importância do programa: "Ao me formar, estarei realizando um sonho meu e de meu pai. Ele sempre trabalhou na roça. Não terminou a 2ª série. Uma das alegrias dele é me ver na faculdade. Só tentei o vestibular porque havia o Proupe". A viabilização dos sonhos de milhares de famílias fica comprometida, embora o Governo de Pernambuco reitere que não há perspectiva de cancelamento do Programa. Em comparação com outros gastos, o valor de R$ 16 milhões, previsto para o orçamento do Proupe em 2016, não é alto. Mesmo assim, tendo a palavra oficial como garantia de continuidade, é uma lástima receber a notícia de que a abertura de novas vagas encontra­-se suspensa. Novos cursos poderiam representar o alargamento do futuro para milhares de interioranos.(EDITORIAL DO JORNAL DO COMERCIO, edição de 05/06/2016)/ 
Share on Google Plus

About Dayane de assis silva Fernandes

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários:

Postar um comentário